Mercado Livre de Energia: vale a pena migrar?

Mercado Livre de Energia: vale a pena migrar?

Se está procurando redução de custos com energia elétrica, considere a migração para o Mercado Livre de Energia. Falamos em migração, pois existem dois ambientes de contratação de energia, sendo o Regulado e o Livre.

O Mercado Regulado é aquele em que a grande maioria da população se encontra, seja pessoa física ou pessoa jurídica. Neste mercado, não é possível planejar prazo de entrega, montantes ou preços. A fatura virá seguindo as tarifas de transmissão e energia definidos anualmente pela Aneel através das revisões ou reajustes tarifários.

Toda a gestão de compra de energia está sob o guarda-chuva da concessionária distribuidora de energia, que prevê o consumo de energia de seus clientes e efetua a compra futura de energia para os anos seguintes. O resultado destes leilões de compra de energia são uma parcela dos valores de tarifas que serão arcados pelos consumidores do Mercado Regulado, e portanto, os bônus e ônus das compras das concessionárias serão repassados automaticamente para as empresas e pessoas físicas.

O Mercado Livre de Energia prevê a liberdade de escolha de fornecedores de energia elétrica pela empresa compradora diretamente. A decisão então de quanto comprar, por qual período e a qual preço está na própria empresa e o resultado econômico das decisões será sentido diretamente por ela, seja este positivo ou negativo.

Mas então vale ou não a pena migrar para o Mercado Livre de Energia?

A resposta a esta pergunta não é trivial com um SIM ou NÃO, pois dependemos de uma análise detalhada de alguns itens importantes a serem verificados.

A Inter Energia entende que a migração para o Mercado Livre de Energia deve ser considerada como um projeto dentro da empresa, e, portanto, requer que o planejamento seja realizado antes das execuções. Abaixo alguns itens que entendemos que deve fazer parte do processo de análise:

Realizando análise econômico-financeira para migração ao Mercado Livre de Energia

– Qual o custo mensal de energia da minha empresa? Estes custos representam quanto em relação ao preço do meu produto?

– Qual seria a minha possível economia no Mercado Livre de Energia no período de 1 ano, 2 anos e 5 anos? Os preços atuais que estão ofertados atendem essa necessidade?

– Qual o orçamento da minha empresa para novos projetos? Consigo alocar uma pessoa responsável pelo gerenciamento deste projeto de migração?

– Qual a relação de custo x benefício esperado com a migração para o Mercado Livre de Energia?

– Qual a projeção de cenários para o Mercado Livre de Energia nos próximos anos? Serei pioneiro ou o último a migrar a empresa para este mercado no meu setor?

– A alta diretoria está disposta a desenvolver uma política de compra de energia, racionalização de consumo e eficiência energética? (este item é muito importante, visto que o bom gerenciamento no Mercado Livre de Energia podem trazer grandes oportunidades para toda a empresa).

Direitos e Obrigações

Quando se está no mercado cativo de energia, o consumidor não tem grandes obrigações quanto ao consumo e quanto ao registro de informações. Sua responsabilidade é de tentar consumir o mínimo possível e ter uma fatura com menor valor ao final do mês. Porém, quando migra ao Mercado Livre de Energia, sua empresa se torna um agente do mercado, e portanto, com essa mudança, algumas responsabilidades são alocadas para o consumidor para que se garanta segurança energética e adimplência entre os agentes. Dentre algumas responsabilidades, destacamos alguns papéis importantes:

– Registro de informações de compra/venda de energia;

– Acompanhamento constante de medição de consumo;

– Pagamentos de taxas, emolumentos na câmara de comercialização;

– Aporte de Garantias no caso de exposição de energia no mercado de Curto Prazo.

Porém, não são somente obrigações que o Mercado Livre de Energia traz para a empresa, também existem direitos que podem trazer boa oportunidade para os agentes. Neste âmbito, a VENDA de energia elétrica excedente para outros agentes é um direito do consumidor, e dependendo do preço de curto prazo, é possível auferir “lucro” nesta operação. Esta opção é possível apenas para empresas que atuam no Mercado Livre de Energia, visto que passa a ser detentora de energia elétrica durante o período de contratação.

Quais os passos para migração ao Mercado Livre de Energia?

Primeiramente, caso a sua empresa já esteja em operação, os passos para migração do mercado cativo para o livre seguem uma ordem cronológica, e portanto, todas as etapas abaixo devem ser seguidas:

  1. Carta Denúncia para a distribuidora. É necessário informar à empresa concessionária a intenção da empresa em descontinuar o contrato de fornecimento no mercado regulado, informando a opção de comprar energia no Mercado Livre de Energia.
  2. Contratar energia de suprimento: ao passo que a empresa decidiu sair do mercado cativo, é preciso então realizar a compra de energia com comercializadores ou geradores no mercado livre de energia;
  3. Adequação do sistema de medição: agentes consumidores do Mercado Livre de Energia devem modificar seus “relógios” para que estes estejam de acordo com os requisitos necessários de medição. Os valores de medição serão informados todos de forma automática para a distribuidora e para a CCEE para cálculos de necessidade de contratação e balanço energético.
  4. Adesão à CCEE: apenas agentes cadastrados na CCEE podem ter acesso ao Mercado Livre de Energia. Portanto, é preciso realizar todas as etapas de migração antes de poder efetuar contratos de compra e venda de energia no Mercado Livre de Energia.

Volatilidade do PLD (Preço de Liquidação de Diferenças)

Neste post, apresentamos alguns itens importantes que formam os preços do mercado de curto de prazo, o chamado PLD. Por sua natureza, existe uma volatilidade de preços e, portanto, esta deve ser uma variável a ser considerada no processo de migração para o Mercado Livre de Energia.

Porém, esta volatilidade de preços não traz riscos ao consumidor que se protege comprado energia a longo prazo, dentro dos parâmetros de consumo projetado.

Mesmo que haja oscilação de preços para cima ou para baixo, os consumidores que já negociaram um montante, prazo e preço, terão suas projeções respeitadas dentro do orçamento.

Apenas o consumidor que não planeja ou que tem uma produção muito acima ou muito abaixo do esperado estará sujeito às oscilações de preço do mercado de curto prazo.

Conclusão

Apenas empresas no Mercado Livre de Energia podem usufruir de situações vantajosas de custos e produtos que trazem competitividade ao custo do seu produto. Portanto, caso a sua empresa seja eficiente, a migração ao mercado livre de energia tem que ser constantemente verificada.

Os preços no Mercado livre de Energia variam diariamente, e é possível que cheguem a valores interessantes e que tragam boa redução de custos.

As obrigações inerentes ao processo não devem ser encaradas como dificuldades. O mercado de energia hoje tem empresas especializadas em todo o processo de migração e gerenciamento mensal do consumidor para que este se preocupe apenas com sua atividade fim.