Pesquisadores encontram uma forma de aumentar eficiência de energia solar em até 700%

Pesquisadores encontram uma forma de aumentar eficiência de energia solar em até 700%

Um grupo de professores da Universidade de Wyoming descobriram uma forma de aumentar drasticamente a eficiência das células de energia solar adicionando um metal alternativo, magnésio. A adição destes átomos do metal podem aumentar a conversão de energia em uma média entre 300 a 700 por cento.

 A descoberta pode ajudar fazendeiros e pequenas unidades agrárias a acessar energia elétrica em áreas remotas, e aumentar a capacidade de utilizar energia para carregamento de carros elétricos em grandes cidades, reduzindo a poluição.

Os professores da Universidade de Wyoming do departamento de Física e Astronomia, Jinke Tang e Yuri Dahnovsky, junto com TeYu Chien, um professor assistente, escreveram uma pesquisa que posteriormente foi publicada na Revista “Applied Physics Letter” no último inverno americano.

A pesquisa, intitulada “Giant Photocurrent Enhancement by Transition Metal Doping in Quantum Dot Sensitized Solar Cells” foi financiada pelo Departamento de Energia (DOE na sigla em Inglês) como parte de um programa de estímulo a pesquisas competitivas de energia.

 “Adicionamos nas célula quânticas com 4% de átomos de magnésio. Nossa expectativa era que a eficiência fosse 4% maior. Conseguimos 700% de aumento de conversão. Isso não é normal.”

A busca por células solares de alta eficiência trouxe a pesquisa por novos materiais, como magnésio. Magnésio pode substituir o tradicional silicone usado para sensores e fotocondutores. Dahnovsky e Chien acreditam que isto pode trazer uma revolução tecnológica para aplicações industriais.

As novas células solares aumentam a duração das baterias de qualquer portátil, até carros elétricos, segundo Chien.

Dahnovsky acrescenta:

“Um agricultor pode bombear água em lugares remotos para irrigar sua produção. Se não há eletricidade, ele pode usar células solares para gerar a energia elétrica necessária.” 

Agricultores podem utilizar sensores movidos a energia solar com a capacidade de mensurar irradiação do sol, umidade, oxigênio e temperatura do seu plantio.